sábado, 21 de janeiro de 2017

Links de Sabado #47

Nanatsu no Taizai


Tripulante Nerd: Infelizmente fui pesquisar e não conseguir acessar o blog

Os Videos Mais Satisfatorios do Mundo

Vejam um video do meu canal - AllMania



Obras De...

Eiichiro Oda

Enquanto criança, Oda foi inspirado por vikings e aspirou se tornar um mangaka. Ainda novo, ele enviou um personagem chamado Pandaman para um mangá clássico de Yudetamago, Kinnukuman, que não apenas foi utilizado em um capítulo do mangá, mas mais tarde retornou como figurante recorrente nos trabalhos do próprio Oda.

Com 17 anos de idade, inspirado por faroestes como Os Jovens Pistoleiros, Oda escreveu Wanted!, obra que levou cerca de 4 meses para ser concluída. Wanted! ganhou diversos prêmios, incluindo o segundo lugar no cobiçado Prêmio Cultural Osamu Tezuka, rendendo a Oda ¥ 500.000, valor o qual ele dividiu com seus pais. Isso propiciou-lhe um emprego na revista Weekly Shonen Jump, onde inicialmente trabalhou como assistente da série de Shinobu Kaitani Suizan Police Gang, logo em seguida indo trabalhar com Masaya Tokuhiro, auxiliando-o nos títulos Jungle King Tar-chan e Mizu no Tomodachi Kappaman, que lhe deu uma influência inesperada no seu estilo artístico.
Aos 19 anos, ele trabalhou como assistente de ''mangaka'', juntamente a Hiroyuki Takei, criador de Shaman King, para Nobuhiro Watsuki no também famoso mangá Rurouni Kenshin onde se inspirou a fazer o famoso caçador de recompensas Roronoa Zoro um dos espadachins de seu mangá. Durante esse período, ele desenhou duas histórias de pirataria curtas, chamadas "Romance Dawn", onde se inspirou para criar One Piece. Em 1997, One Piece apareceu pela primeira vez na revista Shonen Jump e rapidamente se tornou um dos mangás mais populares do Japão.
São notórias algumas homenagens feitas pelo autor a alguns ídolos refletidas no seu trabalho. Exemplos disso são nos nomes de personagens como Marshall D. Teach (o nome verdadeiro do rapper americado Eminem é Marshall). Há também outras referências aos seus ídolos não somente quanto à nomes, mas também aparências: o design, por exemplo, dos vilões de One Piece, Enel, Jango e Spandam são, respectivamente, homenagens a Eminem, Michael Jackson e possivelmente a WWE Wrestler Mankind.
Oda também teve sua participação no anime One Piece onde ele deu voz ao personagem "Odacchi" - apelido pelo qual o próprio Oda é conhecido - num curta temático de futebol que foi ao ar junto ao 3º longa da série.
De acordo com uma entrevista de Oda para a Shonen Jump, seu vilão favorito de One Piece é Buggy, o Palhaço. Ele chegou a brincar que Buggy foi literalmente juntado de qualquer jeito, numa referência ao poder de Akuma no Mi atribuído ao personagem.
Sua maior influência é Akira Toriyama, criador de Dragon Ball e Dr. Slump.
Em 2007, Oda desenvolveu para a Shonen Jump, em parceria a Toriyama, uma história curta, composta por apenas um capítulo (one-shot) chamada Cross Epoch, na qual era feito um crossover entre personagens das mais famosas séries de ambos, One Piece e Dragon Ball.
Em 2013, Oda lançou em parceria com Toriyama e Mitsutoshi Shimabukuro (Criador de Toriko) um especial entre One Piece, Dragon Ball Z e Toriko.

One Piece

Gol D. Roger, um homem referido como o "Rei dos Piratas", está definido para ser executado pelo Governo Mundial. Mas logo antes de sua morte, ele confirma a existência de um grande tesouro, One Piece, localizado em algum lugar dentro do vasto oceano conhecido como a Grand Line. Anunciando que One Piece pode ser reivindicado por alguém digno o suficiente para alcançá-lo, o rei pirata é executado e começa a Grande Era dos Piratas.

Vinte e dois anos depois, um jovem chamado Monkey D. Luffy está pronto para embarcar em sua própria aventura, procurando One Piece e se esforçando para se tornar o novo Rei dos Piratas. Armado com apenas um chapéu de palha, um barco pequeno, e um corpo elástico, ele parte em uma viagem fantástica para reunir sua própria tripulação e um navio digno que irá levá-los através da Grand Line para reivindicar o maior status no alto mar.

Wanted!

Uma coleção de contos desenhados por Oda Eiichiro antes de One Piece se tornou um grande sucesso.


1. Wanted!
2. Kami kara Mirai no Present (God's Gift for the Future)
3. Ikki Yakou
4. Monsters
5. Romance Dawn

Espero que tenham gostado
Até outra postagem.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Mangás Brasileiros



Eae galera beleza, hoje nós falaremos sobre mangás do nosso pais, se vocês pensavam que não existiam confiram a cronologia dos mangás desde 1965.

1965-1975

Período no qual funcionou a Edrel, onde Minami Keizi, Cláudio Seto e entre outros, publicaram.

Tupãzinho, o Guri AtômicoÁlbum EncantadoÍdolo juvenilNinjaAlmanaque Samurai

NINJA, O SAMURAI, GIBI MODERNO, ÍDOLO JUVENIL, etc: Histórias influenciadas por Sampei Shirato, Osamu Tezuka, Shotaro Ishinomori, Tetsuya Chiba, Hideko Mizuno, Monkey Punch entre outros autores do período. Lançadas pela editora EDREL, algumas foram republicadas pela Escala nos anos 2000 em Desenhe e Publique Mangá e MANGÁ X.

1982

Robô Gigantecapa_super_pinoquio.jpg

ROBÔ GIGANTE: 1982 de Watson Portela, inspirado em séries como Capitão Harlock, Locke The Superman e Cyborg 009 (incluindo história de Ultraboy, uma espécie de Utraman nacional, de Franco de Rosa). Editora Bico de Pena (Selo da Editora Grafipar).
SUPER PINÓQUIO: inspirado em Astro Boy de Osamu Tezuka e Pinóquio de Carlo Collodi, Claudio Seto, Bico de Pena.

1985

Drácula 5

DRáCULA, A SOMBRA DA NOITE 1985: Roteiro de Ataíde Braz e Desenhos de sua esposa Neide Harue no estilo Shōjo pela Editora Nova Sampa.

1996

Empolgada com o sucesso da ANIMAX, a editora Magnum lança o mangá brasileiro de Megaman e publica o fanzine Hypercomix, que parodiava séries famosas. Segundo Sérgio Peixoto, o diretor da Magnum viu o Hypercomix em um pilha de papéis que ia para o arquivo e gostou. Já megaman foi lançado por iniciativa dos editores da Animax. Era desenhado pelos próprios leitores (escolhidos por teste) e “revelou” profissionais que participaram dos títulos mais bem-sucedidos dos anos seguintes - PH, Edu Francisco e Erica Awano.

HypercomixMegaman

MEGAMAN: Licenciamento oficial do personagem, produzido pelo estúdio PPA e publicado pela Editora Magnum. Hoje tem caráter “cult” entre fãs do jogo pela distância que tomou do enredo original (sendo conhecido na internet como “Brazillian Megaman”). Foi anunciado, na edição 46 da Animax, uma nova série, desta vez abordando Megaman X, nunca lançada. Pagina da Animax 46 Durou 16 edições.
HYPERCOMIX: publicação pela editora Magnum do fanzine que satirizava séries famosas, criando Los Los Caballeros del Zodíaco, Ui Ui Machukô, Rurouni Cretino, Sei lá Moon, etc. Teve 11 edições.

1997

A editora Trama publica Blue Fighter, seu primeiro mangá.


BLUE FIGHTER: Inspirado em tokusatsus, é uma criação de Alexandre Nagado que já havia sido publicada na Master Comics (revista informativa nos moldes da Wizard). Mini-série em três edições.

1998

Megaman e Hypercomix são canceladas junto com a ANIMAX, fim supostamente estimulado por brigas internas da editora Magnum. A Trama investe em licenciamentos de jogos de luta e lança duas mini-séries escritas por Marelo Cassaro e desenhadas por dois ex-colaboradores de Megaman (Erica Awano e Edu Francisco). No fim do ano, continuando a parceria de Cassaro e Awano em Street Fighter, é lançada Holy Avenger, spin-off de um cenário de RPG publicado na Dragão Brasil. Mangá Booken, da editora M&C, é uma coletânea de histórias e matérias, nos moldes das revistas japonesas, resultado da união do grupo Olha a Frente (de um antigo informativo homônimo) com o Studio Seasons, que deixou a revista depois do segundo número.

Street Fighter Zero 3Mortal Kombat 4Holy AvengerMangá Booken

Cancelamento de MEGAMAN
Cancelamento de HYPERCOMIX
STREET FIGHTER ZERO 3: Pela editora Trama, mini-série em 4 edições, de Marcelo Cassaro e Érica Awano.
MORTAL KOMBAT 4: Pela editora Trama, mini-série em 4 edições, de Marcelo Cassaro e Edu Francisco.
HOLY AVENGER: Spin-off de Tormenta, cenário de RPG que era publicado na revista Dragão Brasil. É o mangá brasileiro de maior sucesso e duração, com 42 edições e 6 especiais. Por Marcelo Cassaro e Érica Awano (além de colaboradores - Petra Leão, Fran Biggs, Eduardo Francisco, etc - nos especiais). Publicado pela Trama e encadernado em 6 volumes.
MANGÁ BOOKEN: Editora M&C, 4 edições, depois encadernadas em um volume.

2000

Entram no mercado quatro editoras (Escala, Kingdom Comics, Brainstore, JBC) e a Trama dá início uma “linha editoral”. A Escala começa fazendo o primeiro concurso “desenhe e publique”. Nele, uma revista de desenho publicou, durante um ano, as melhores histórias que foram enviadas pelos leitores (que cediam todos os direitos da obra a Escala) e a melhor de todas era decidida por votação em fase dupla (primeiro interna, depois externa). Já a Kingdom estréia com uma linha “completa”: a informativa Anime Nation e os mangás Mangá Brasil (de histórias “normais”) e Aniparo (de sátiras no molde da Hypercomix) - todos produzidos no Deadline Studio, de Daniel HDR. O mercado começa a crescer, e a Brainstore publica em banca o fanzine tsunami, de Denise Akemi, mas em uma versão muito distante da original. A Trama, em continuação, lança sua segunda série de sucesso, Victory, e no fim do ano a JBC publica a mini-série em formato americano Combo Rangers Revolution, que mostrava em quadrinhos os primeiros capítulos da nova fase da webcomic.

Desenhe e Publique MangáVictoryTsunamiMangá Brasil

DESENHE E PUBLIQUE MANGÁ: 11 edições e dois especiais, editora escala. Fez dois concursos.
MANGÁ BRASIL: Kingdom Comics, 2 edições.
ANIPARO: Kingdom Comics, 3 edições e 1 especial.
POWER COMIS: continuação da aniparo, Kingdom Comics, 5 edições
VICTORY: Mais um spin-off de Arton. História de uma semideusa, filha do Paladino, invocada no mundo “real” por um grupo de rpgistas que abre um livro mágico pensando tratar-se de um livro de jogo. De Marcelo Cassaro e Eduardo Francisco. Mini-série em três edições publicada pela Trama.
TSUNAMI: Foi um fanzine criado por Denise Akemi que publicava séries diversas. Lançado em banca, nesta encarnação, pela Brainstore. Durou 2 edições.
COMBO RANGERS REVOLUTION: Mini-série em três edições, JBC.

2001

Mais uma editora (a Mythos) entra no mercado. A Escala publica outra revista no estilo “muitas histórias”, Mangá X, em formato americano, com capa cartonada e lombada quadrada, onde trabalham Mozart Couto, Watson Portela, Claudio seto (republicações da Edrel), Alexandre Nagado, Júlio Shimamoto entre outros. A JBC dá continuidade a Combo Rangers, iniciando uma série mensal de sucesso, que apresentava histórias inéditas, diferentes da webcomic e com novo character desing, criado por PH. A editora Trama, com a linha consolidada, aumenta o ritmo de lançamentos e surgem outros roteiristas na editora: Victory 2 é escrito por Petra Leão, e Defensores de Tóquio (nome de um sistema de RPG criado por Cassaro), seguindo a filosofia do Megaman de “publicar os leitores”, lança alguns desconhecidos. A tentativa da Mythos, muito mal recebida, foi com Brasimon e Dragon War, feitos de encomenda por Daniel HDR (que havia desenhado Digimon para a Dark Horse). No fim do ano, Combo Rangers fecha com a Exim Licensing Group e sai da JBC

BrasimonDragon WarCombo RangersSob o Ano do TigreDaniel, o Anjo da Guarda
Victory II

COMBO RANGERS: Série mensal com histórias fechadas, pela JBC, 12 edições.
VICTORY II: De Petra Leão e Eduardo Francisco. Continuação da série original, mostra Victory vivendo na Terra junto com seus amigos rpgistas, quando tem que enfrentar um antigo inimigo do passado de Arton. Mini-série em três edições publicada pela Trama.
Encadernado da primeira mini-série de VICTORY
DEFENSORES DE TÓQUIO: Editado por Sérgio Peixoto, publica histórias curtas, inclusive uma de Holy Avenger. 3 edições, editora Trama.
BRASIMON: Crianças lutam entre si usando animais da fauna brasileira ameaçados de extinção, em uma história de fundo ecológico. Por Daniel HDR, editora Mythos, 1 edição
DRAGON WAR: nitidamente inspirado em Dragon Ball Z, Dragon War conta a história de Drako é um poderoso guerreiro criado por engenharia genética, maior defensor de seu planeta. Chamado para interceptar um meteoro, acabará descobrindo um perigoso alienígena que sabe a verdade sobre seu passado. Ryuchi Kurimoto e Daniel HDR, editora Mythos, 1 edição.
SOB O ANO DO TIGRE: Mini-série em 5 edições ambientada no Japão Feudal escrita e desenhada por Helton Yuji Yamamoto pela Editora Cartago
DANIEL, O ANJO DA GUARDA: de Arthur Garcia e Silvio Spotti pela Editora Escala, gibi em formatinho baseado no Character Designer de Akira Toriyama (graças ao sucesso de Dragon na época).
Fim de COMBO RANGERS na JBC

2002

Ano que teve mais lançamentos. A Panini entra no mercado com a segunda série de Combo Rangers. O Studio Seasons, da antiga Mangá Booken, lança dois mangás pela Hant editora: Oiran e Sete Dias em Alesh. A Trama continua sua expansão, republicando Tsunami, o fanzine, desta vez mais próximo do original. A editora Crystal relança um personagem infantil do começo dos anos 90, o Pequeno Ninja (que inclusive teve alguns roteiros feitos por Marcelo Cassaro, que incluiu seu personagem o Capitão Ninja nessas histórias), em formato mangá (claramente inspirado em Dragon Ball). Causou cisma o fato da revista contar com onomatopéias em japonês. Sérgio Peixoto consegue uma parceria com a editora Camargo & Moraes para publicar uma linha de mangás a 1 real. No fim do ano, a Escala publica uma nova revista-coletânea (Mangá X já estava cancelada), Talentos Mangá, produzida pela Olha a Frente (com séries diferentes da Mangá Booken). Talentos era mais uma da linha “publicar leitores”. Pelo selo Graphic Talent, que pretendia testar títulos para se tornarem mensais a Escala publica 2 tentativas de mangá: Gamemon e Zuzna. A pequena editora Draco lança a revista Samaco Hentai.

TsunamiTalentos MangáCombo Rangers da PaniniFighter DollsValiant HookSad HeavenSete dias em AleshOiranPequeno Ninja MangáBanzaiGamemonZuznaAlluriaSamaco

COMBO RANGERS: Segunda série, pela Panini. De Fábio Yabu e vários desenhistas, 10 edições.
OIRAN: do Studio Seasons, 1 edição, pela Hant editora
SETE DIAS EM ALESH: do Studio Seasons, 1 edição, pela Hant editora.
TSUNAMI: Coletânea de 32 páginas publicando histórias curtas em série e fechadas, produzidas por Denise Akemi, Gilson Kitsune, Roberta Pares, Rogério Hanata, e outros. Segunda série da Tsunami, lançada pela Trama. Durou 5 edições.
BANZAI, O MELHOR DO MANGÁ BRASILEIRO: edição única, 2002, Escala.
PEQUENO NINJA MANGÁ: Escola Estúdio de Artes, Editora Cristal, 5 dições.
FIGHTER DOLLS: Jovens controlando robôs em miniatura lutam entre si. Sérgio Peixoto, Roberta Pares Massesini 2 edições, Camargo & Moraes
SAD HEAVEN: Camargo & Moraes. 2 edição.
VALIANT HOOK: Camargo & Moraes. 2 edição.
TALENTOS MANGÁ: Da equipe Olha a Frente, Editora Escala, 4 edições.
GAMEMON: Arthur Garcia, Graphic Talent 6, Editora Escala
ZUZNA: Alexandra Teixeira de Rosso (ex-namorada de Daniel HDR, chegou a publicar no Hipercomix), Graphic Talent 10, Editora Escala
ALLURIA: Fanzine criado por Cesar Ikko (organizador da AnimeCon) e sua esposa Luciana Miyuki e que teve uma única edição pela Opera Graphica com capa de André Vazzios.
SAMACO HENTAI: revista de erótica de Erick Sama, Editora Draco.

2003

Ano em que começou a derrocada, quando a maioria dos investimentos das editoras grandes no ano anterior se revelaram fracassados e elas começam a abandonar o setor. Combo Rangers é cancelado e a Panini desiste de investir na área. Holy Avenger chega ao fim ainda no topo, e em comemoração são lançados um artbook e um cd de drama. Quases todos mangás lançados no ano anterior já foram cancelados. A editora Via Lettera lança em livrarias uma coletânea organizada por Alexandre Nagado (Mangá Tropical), que fracassa. Também não volta a investir no segmento. A Mythos tenta uma nova estréia, lançando o “seu próprio Holy Avenger”, Dungeon Crawlers - uma nova série de Marcelo Cassaro, com desenho de Daniel HDR. A equipe Olha a Frente funda a editora Linhas Tortas para publicar as séries da Mangá Booken e da Talentos Mangá que ficaram incompletas. Praticamente, o ano termina com uma editora após a outra abandonando o mercado. A Editora Escala lança um selo para quadrinhos eróticos, a Editora Xanadu uma dessas publicações é a revista Hentai X.

Dungeon CrawlersMangá TropicalA Arte de Holy AvengerAlcatéiaFantagorHentai X

Cancelamento de COMBO RANGERS na Panini
Fim de HOLY AVENGER
ALCATÉIA: Escrito por Eddie Van Feu e desenhado por Axia Stowe. Editora Linhas tortas, 3 edições.
MANGÁ TROPICAL: Marcelo Cassaro e Erica Awano, Fábio Yabu e Daniel HDR, Alexandre Nagado, Arthur Garcia e Silvio Spotti, Elza Keiko e Eduardo Müller, Rodrigo de Góes e Denise Akemi. Via Lettera, albúm.
DUNGEON CRAWLERS: Nova série de Marcelo Cassaro, também passada em Arton, com desenhos de Daniel HDR. Publicada pela Mythos. Feito para ser uma mini-série se não desse certo, prometeu uma continuação que nunca foi publicada. 4 edições.
A ARTE DE HOLY AVENGER: Artbook da série publicado pela Talismã, com depoimentos e imagens.
OUVINDO HOLY AVENGER: Cd de drama dirigido por Guilherme Briggs, com participação dos dubladores Márcio Seixas, Marisa Leal, Mauro Ramos e Miriam Ficher.
FANTAGOR: mangá com história muito parecida com o clássico personagem O Fantasma (Lee Falk). roteiro e desenhos Pierre Viegas, Editora Minuano em parceira com a Opera Graphica.
HENTAI X: mangá erótico lançado pela editora Xanadu (um selo da Editora Escala).
Panini desiste de publicar mangá.
Via Lettera desiste de publicar mangá.
Hant editora fecha.
Camargo&Moraes desiste de publicar mangá.
Escala para de publicar mangá.

2004

A Trama muda de nome e lança várias revistas: Mercenários, mais uma série ambientada em Arton; Ethora especial, mais um fanzine que chega as bancas; Holy Avengers VR, uma simples reedição da série original; e Victory Contra-Ataca, remake da primeira mini, feito para o mercado americano (Victory foi publicada lá pela Image Comics). A Linhas Tortas publica mais três séries da Olha a Frente. Todas as outras editoras abandonam o mercado.

MercenáriosHoly Avenger VRVictory contra-ataca?152|Victory Contra-AtacaContos de LeemyarClube dos 5Heróis S.A.Espada JusticeiraPsi ForceShadow HuntersSugoi MangáEndhers

MERCENÁRIOS: Por Petra Leão, Fran Brigss e Denise Akemi, editora Talismã (ex-Trama). 1 edição.
ETHORA ESPECIAL: Temática medieval. Mais um fanzine levado à banca pela editora Talismã (ex-Trama).
HOLY AVENGER VR: pela editora Talismã (ex-Trama, atual Melody).
VICTORY CONTRA-ATACA: Publicação em português do remake da primeira série, produzido para o lançamento nos EUA pela Image Comics. Mini-série em quatro edições, pela Talismã (ex-Trama).
CONTOS DE LEEMYAR: Linhas Tortas, 2 edições.
CLUBE DOS 5: Linhas Tortas, 2 edições.
HERÓIS S.A.: Linha Tortas, 2 edições.
ESPADA JUSTICEIRA: roteiro e desenho de Robson José, Zolar Editora Gráfica, 2 edições
PSI FORCE: Mangá publicado no formato de leitura japonês de Rogério Godoy, Editora Casa Dois.
SHADOW HUNTERS: criado e roteirizado por Fernando Caratti, e desenhado por Rodrigo Santana (KRK Studios, Editora Fobos de Marte, em 2007 o grupo publicou nos EUA, o mangá Eternal Gods pela Editora Twofold Comics.
SUGOI MANGÁ: Yamato Comunicações e Eventos e Editora ZN.
ENDHERS:de César Góis e Diogo Saito, Yamato Comunicações e Eventos e Editora ZN.

2005

A Trama abre falência e toda sua linha é cancelada. A republicação de Holy avenger vai para a Mythos, que a continua sob o subtitulo “Reload”. A editora também promete a continuação de Dungeon Crawlers, mas no fim do ano toda sua linha é cancelada.

Holy Avenger ReloadEthora - Donzela de FerroNosferatusFanzine Animation InvadersFolck Mangá

Cancelamento de HOLY AVENGER VR.
Cancelamento de MERCENÁRIOS e TSUNAMI.
Falência da Trama/Talismã.
ETHORA, DONZELA DE FERRO: mini-série em 5 edições, de Beth Kodama e Karina Erica Horita. Publicado pela Editora Kanetsu Press.
HOLY AVENGER RELOAD: Segunda tentativa de relançamento de Holy Avenger, pela Mythos. 8 edições.
NOSFERATUS:misto de terror, ficção científica e aventura, de Arthur Garcia e Silvio Spotti, 1 edição, Coleção Opera Comics, Editora Opera Graphica.
Cancelamento de HOLY AVENGER RELOAD: Mythos também desiste de publicar mangá.
a editora Linhas Tortas desiste de terminar suas séries.
FANZINE (REVISTA ANIME INVADERS): Revista Anime Invanders (depois renomeada para Animation Invaders) foi revista informativa em formato Magazine da Editora Europa que publicava um suplemento em formatinho e papel jornal chamado fanzine com histórias de leitores.
FOLCK MANGÁ: personagens do Folclore brasileiro em versão mangá.1 Edição Bentivegna Editora (editora da família Bentivegna, mesmos fundadores da editora que atou entre os anos 60 e 70 e que depois usou os nomes Roval e Kultus)
* IRACEMA MANGÁ: Adaptação moderna do livro de José de Alencar, escrita e desenhada por Adams Rebouças.

2006

Mirai

MIRAI: Dream Editora

2008

Turma da Mônica mangáVento do OrienteCatador de Batatas e o Filho da Costureira

Cancelamento da Animation Invaders**
TURMA DA MÔNICA JOVEM: Nova linha adaptando a Turma da Mônica (na adolescência) ao estilo mangá, em 2009 a revista passou a ter roteiros de Marcelo Cassaro e Petra Leão, Panini.
O CATADOR DE BATATAS E O FILHO DA COSTUREIRA: de Bruno D’Angelo e Ricardo Giassetti, Editora JBC.
O VENTO DO ORIENTE: UMA VIAGEM ATRAVES DA IMIGRAÇAO JAPONESA NO BRASIL: Mangá sobre a imigração japonesa no Brasil publicada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), escrita por André Uesato e Renata Corrêa; as ilustrações são de Lícius Bossolan e Martha Werneck.

2009

Luluzinha TeenTimão MangáFlores Manchadas de SangueEternamente Michael

LULUZINHA TEEN E SUA TURMA: Versão Moderna dos personagens criados por Marjorie Henderson Buell em 1935, aproveitando a onda de Turma da Mônica Jovem e que inclusive já teve uma versão em anime chamada Little Lulu to Chitcha na Nakama, produção japonesa exibida nos anos 80 pelo SBT.
TIMÃO EM ESTILO MANGÁ: A Editora BB lançou uma versão mangá do time de futebol Corinthians.
FLORES MANCHADAS DE SANGUE:Editora Devir Coletânea de histórias de samurai criadas por Claudio Seto e publicadas originalmente na EDREL.
ETERNAMENTE MICHAEL: Editora Seoman, Biografia do cantor Michael Jacksons, escrita por Ledo Vieira e desenhada por Fabio Shin e Rafael Kirschner

2010

Didi & LiliO PríncipeVitralZucker

DIDI & LILI:GERAÇÃO MANGÁ: versão em mangá do personagem do humorista Renato Aragão e sua filha Lívian Aragão (Lili). editada por Franco de Rosa, roteiros de Debrah Demaris, arte de Ivan Rodrigues, Arthur Garcia, Alexandra Matos, Antonio Lima. Editora Escala
* Em Julho de 2010, a Editora HQM lança no Anime Friends 2010 os mangás O PRÍNCIPE DO BEST SELLER e VITRAL, ambos do Futago Studio. O Príncipe do Best Seller iria se lançado pela Quadrix, editora independente do Ceará.

a Editora HQM anuncio o mangá esportivo Pole Position de Nestablo Ramos Neto.

o Studio Seasons assina com a Newpop Editora para publicar Zucker (que já foi publicado em formato de tiras na revista Neotokyo produzida pela equipe da Newpop e editada pela Escala) e uma adaptação de Helena de Machado de Assis.

Pela Newpop também foi prometido reedições de Oiran e Sete Dias em Alesh (que inicialmente seriam publicados pela HQM Editora).

2011

DBrideAção MagazineLedd

Pela Jambô Editora, Marcelo Cassaro e Erica Awano lançam em Fevereiro de 2011 “DBride: A Noiva do Dragão”, história publicada originalmente de forma seriada na revista Dragon Slayer da Editora Escala.
Anunciado pelo quadrinista e jornalista Alexandre Lancaster, a revista Almanaque Ação Magazine pela Lancaster Editora, uma antologia inspirada nas revistas japonesas de mangá. preview da edição 0
A Edição #01 (programada para ser lançada nas bancas em Setembro) teve pré-lançamento no Festival do Japão em meados de Julho e pré-venda na gibiteria Comix.
LEDD: Lançada inicialmente como Webcoomics, Ledd é uma nova série ambientada baseada em Tormenta, roteiros de JM Trevisan e arte de Lobo Borges, a versão encadernada foi vendida pela Jambô.

2012

Hansel&GretelHelena

HELENA: a adaptação de Helena de Machado de Assis, produzida pelo Studio Seasons.
HANSEL&GRETEL: mangá pela Editora NewPOP, que remete a vários contos de fadas, entre eles João e Maria , com elementos steam fantasy, de Douglas MCT, Rafi Bluebunny e Fred Hildebrand.
DEAD ZONE: Fabio Sakuda e Carlos Sneak, autores de Rapsódia ( publicada na revista Ação Magazine)

Fonte::::: start [KOwiki]

Gostara tambem de...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...